Grupo Nonna

O Rei do Marketing. Entrevista com Claret Nametala

A+A-

claret-em

 

VANESSA JACINTO

Bacharel em psicologia, com especialização em recursos humanos e marketing, Antônio Claret Nametala também é conhecido por muitos como o rei do marketing profissional. A trajetória que lhe permitiu conquistar o apelido é vasta, com passagens pelo Cruzeiro Esporte Clube, onde ocupou o cargo de diretor de marketing, e pela Associação Mineira de Supermercados (Amis), onde prestou serviços por 11 anos consecutivos.

 

Atualmente, ele comanda a empresa Nonna Eventos e RH, que atende empresas como Sadia, Bauducco e Nestlé. Ele também é o atual sócio-presidente da Serápis Bey Sports, responsável pelo marketing promocional dos clubes Guarani, Villa Nova e Internacional do Sul. Nesta entrevista, ele avalia o mercado e fala sobre como venceu na carreira.

 

Como foi que você começou a atuar no marketing?

O início da minha carreira foi no setor supermercadista, como assistente de treinamento no Sistema Integrado de Distribuição (Supermercados Kit, Pag Pouco e SuperAtacado Apoio/Sindi). Foram mais de quatro anos de atuação. Depois, fui gerente de RH nos supermercados Epa, ViaBrasil e Mart Plus (mesma empresa), consolidando minha carreira no setor. Entrei na Associação Mineira de Supermercados (Amis) para fazer um diagnóstico da entidade. Foi quando percebi o potencial enorme da mesma. Acabei ficando lá por 11 anos, cinco deles como diretor superintendente e os outros seis como presidente executivo. Sem perceber, começava a fortalecer meu nome não só em Minas, mas em todo o Brasil.

Por meio da Amis consegui a amizade e confiança de supermercadistas, das indústrias e prestadores de serviços para o setor. Passamos a percorrer todo o nosso estado. Eu mesmo ministrava cursos e palestras na capital e interior, levando o nome da entidade e aumentando seus associados. Assumi diretamente o planejamento e execução da Superminas - Feira e Convenção anual de supermercados, que viria a ser o maior evento para empresário em Minas e o segundo no Brasil no setor. Treinei diretamente quase 10 mil pessoas. Aí veio o convite para assumir a diretoria de marketing e comercial do Cruzeiro Esporte Clube. Com cinco anos de trabalho, conseguimos valorizar a marca do clube, crescendo o faturamento fora jogos em mais de 20 vezes nesse período. Buscamos fortalecer os negócios, a imagem do clube, de seus atletas e valorizando ao máximo sua torcida. As ações junto aos torcedores foram constantes. Valeu a pena. Paralelamente, de 2003 a 2011, assumi a diretoria comercial do concurso Miss Brasil Oficial.

 

A que você atribui o sucesso na carreira?

A marca pessoal que, acredito, ficou consolidada é de seriedade, honestidade, comprometimento, criatividade, ousadia responsável e muita exigência em relação à qualidade. Sempre acreditei e investi em meus pares. A equipe é a alma de qualquer negócio. Felizmente, hoje tenho grandes amigos por onde passei e com quem pude me relacionar. Outra marca forte: a fé em Deus. O desenvolvimento da percepção e intuição vem muito desse contato. Busco e peço sempre o discernimento.

 

Como você vê o mercado para o profissional de marketing? E com relação ao marketing promocional?

É um mercado aberto, que busca talentos. Entretanto, para participar, é preciso gostar de trabalhar com pessoas, exercitar a criatividade o tempo todo, com conhecimento de causa. Pesquisar o mercado em que o negócio está inserido deve ser ação constante. O marketing promocional também ganha muito espaço nos dias atuais. A preocupação de quem fabrica ou produz deixou de ser "apenas fabricar e entregar ao mercado distribuidor". Cuidar do produto no ponto de venda garante melhores resultados e uma aproximação indispensável com o consumidor.

 

Que talentos e competências é preciso desenvolver para atuar nesta área?

Por incrível que pareça, hoje buscamos questões básicas como comprometimento, pontualidade e cuidados com apresentação pessoal, higiene e atenção no trato com as pessoas e produtos. Para trabalhar com marketing, também é importante ter a capacidade de atuar sob pressão em relação a tempo e volume de trabalho. É preciso ser de bem com a vida, com espírito esportivo e bom humor. O estado de felicidade nos torna mais criativos e prontos para os desafios. E eles são constantes no caminho de quem quer fazer a diferença positiva. Fazer benfeito dá trabalho,mas vale e muito a pena, com certeza.

 

Depois de passar por várias instituições você decidiu ter o próprio negócio. Como isso ocorreu?

Fundei a Serápis Bey (hoje Serápis Bey Sports & Marketing e Serápis Bey Comunicação) em 1991 e a Nonna Eventos e RH (hoje Nonna Marketing Promocional, Nonna Recursos Humanos, Nonna Eventos e Nonna Mobile) em 1992. Confesso que acho ter sido levado pelas forças divinas, ouvindo e percebendo sempre os sinais recebidos. A oportunidade pode ser um detalhe sutil no caminho. No período de atividades intensas na Amis e no Cruzeiro, meu irmão mais novo e sócio, Rodrigo Nametala, sempre se desdobrou para cuidar da Nonna com zelo e competência.

A Serápis atuava onde eu estava, ou seja, era ao mesmo tempo Claret Nametala e Serápis. Hoje, Nonna e Serápis estão lado a lado também fisicamente, o que facilita minha presença nas duas. Assim, as empresas vinham atuando normalmente sem a minha presença no dia a dia. Agora, resolvi abrir o leque, atendendo de forma mais ampla os mercados em que nossas empresas estão inseridas.

A experiência e relacionamentos também adquiridos por onde passei têm sido importantes para a abertura de novos clientes, incluindo varejo, indústria, entidades, clubes de futebol e esporte em geral.

 

O Brasil oferece boas oportunidades para quem atua nessa área? Quais são os setores com mais oportunidades?

O Brasil é hoje um celeiro de oportunidades para quem gosta e quer trabalhar de verdade. Em nossa área, as oportunidades estão aí. Procuramos constantemente profissionais que possam nos atender e, quase sempre, temos dificuldade para encontrar. Em relação ao esporte, os grandes eventos no Brasil que se aproximam, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, trazem grandes chances de trabalho e crescimento profissional.

Precisamos nos preparar. Pessoas, empresas, governos etc. Que dicas você daria para quem pretende atuar na área? "O esforço vale a pena". Ganha mais quem se dedica de verdade ao que faz, seja no sentido profissional como no pessoal. Fazer benfeito é uma questão de preparo e opção. Depende de cada um. Sair do lugar-comum, fazer um pouquinho que seja além do solicitado, com dedicação e afinco, são geradores de progresso em qualquer estágio e lugar.